2.6.06

Os computadores da CCE

Mais conhecida por aparelhos de som, TVs e DVD players, a CCE (sim, a CCE) entrou no mercado de PCs, com o lançamento de uma linha de computadores com plataforma Intel. Na verdade, as máquinas estão à venda desde o carnaval, mas só agora a CCE decidiu falar sobre o assunto (diz a lenda que é a primeira vez em 42 anos que eles realmente FALAM com a imprensa). O próximo passo da fabricação em Manaus é montar linhas para a produção de notebooks e monitores LCD a partir do segundo semestre.

A companhia tem capacidade para produzir 400 mil computadores por ano em Manaus, incluindo a montagem de placas-mãe MSI, fabricação de placas de fax/modem, pentes de memória e gabinetes, usando a sinergia com as outras empresas do Grupo CCE, como a Placibras (de placas) e a PCE (de embalagens). “Somos um fabricante mesmo, não um integrador de componentes”, diz Gilberto Marangão, diretor de marketing e produtos de informática da CCE. A companhia investiu R$ 60 milhões na linha de produção.

A propósito, quem acha que não tem nada da CCE em casa se engana. Os tempos da CCE rainha dos equipamentos de áudio se foi. Hoje eles fazem OEM de TVs e DVDs para diversos fabricantes, produzem grande parte das embalagens de produtos que saem da Zona Franca de Manaus e também gabinetes de TVs e demais insumos plásticos - tem CCE até em motocicleta sem que você saiba. E antes que você faça um trocadilho com a sigla, tudo - mas tudo mesmo - passa por um rigoroso processo de testes de qualidade. (tem uma sala de tortura de televisores e aparelhos de som - é verdade)

A CCE quer alcançar 7% de participação de mercado até o fim de 2007. As primeiras máquinas começaram a chegar à rede de varejo credenciada pela CCE (que atinge cerca de 5 mil varejistas em todo o Brasil, incluindo grandes redes, como Ponto Frio e Extra) no final de março. Até agora, foram 55 mil PCs produzidos. “O varejo nacional tem carência de uma marca forte de computadores”, afirma Marangão. “E como fabricamos, não ficamos dependendo de fornecedores, conseguimos ser mais ágeis que a concorrência.”

Inicialmente, são duas linhas de computadores à venda: Smart, com processador Intel Celeron, e Mind, com processador Intel Pentium 4, e preços a partir de R$ 1,1 mil (com monitor) – modelo incluído no programa Computador para Todos, do Governo Federal, que roda sistema operacional Linux, que já é o carro-chefe das vendas, segundo a empresa.

Apesar de ter a Intel como única fornecedora de chips, a CCE não descarta parcerias com a AMD no futuro: “A AMD tem a supremacia em alguns nichos de mercado. Se a CCE precisar atingir esses nichos, existe essa possibilidade de trabalho. Mas hoje somos 100% Intel”, explica o executivo.

A linha de computadores vai se expandir no segundo semestre com o lançamento de produtos destinados ao mercado de pequenas e médias empresas – e de olho em clientes governamentais. Seguindo o modelo de grandes fabricantes como Dell e Lenovo, os PCs corporativos da CCE virão com serviços e ferramentas de suporte ao sistema. Os monitores LCD serão produzidos, inicialmente, em 14 polegadas, mas estão previstos modelos de 15 e 17 polegadas. Eu vi um modelo de 14" bem bonitinho, por sinal.

2 comentários:

O`Marin disse...

Credo! Monitor de 14", isso tinha que ser proibido de ser produzido, o pior é que o usuário além de usar um micro-monitor usa 800x600 de resolução !

Henrique disse...

eu sei que 14 polegadas não é nada pra gente que tem acesso a tecnologias mais bacanas e caras. mas imagina o sucesso que isso vai ser se for lançado a um precinho camarada e financiado em zilhões de vezes pros clientes potenciais do PC Popular? vai vender que nem água.